E quando tens que largar a mão de alguém ou alguém te larga a mão?

E quando tens que largar a mão de alguém ou alguém te larga a mão?

Por vezes usas estratégias mentais que te permitem respirar melhor durante uns momentos.

A dor no peito traz te de volta ao corpo num instante. Se tivesses que desmontar essa dor, seria um misto de amor, com tristeza e alguma ansiedade à mistura.

Apesar de tudo lembra-te que estás ter a experiência certa, na hora certa. Acho até que é essa certeza que te permite deixar essa dor no peito SER.

Não a contraries. Não a lamentes. Deixa-a SER. E se quando tiver que se transformar em lágrimas, também aí a deixes e irás deixar SER.

Aceita que os acontecimentos da nossa vida estão escritos muito antes de cá chegarmos. Essa tomada de consciência tem tanto de libertador como de assustador. É um caminho oscilante.

Aprender a largar, aceitar e experienciar sempre na perspetiva do amor…

Um vai e vem entre o entregar e o agarrar, entre o aceitar e o resistir, entre o acreditar e o ver para crer…

Mas tem consciência desse caminho que fazes. Não estejas em piloto automático. Por isso podes sentir tanto. E sei que viemos para isso mesmo: SENTIR. Não para sermos algo porque na verdade já o SOMOS. Talvez relembrar/regressar a essa essência. E esse regresso tem momentos “difíceis” e outros “deslumbrantes”. Há que saber usufruir de ambos. São igualmente grandiosos.

Essa pessoa a quem largas ou te larga a mão é na verdade uma bênção para ti. É capaz de trazer à tona emoções que um e outro tinham guardadas lá no fundo.

E se te sentes magoado ou ofendido, lembra-te que não te poderias sentir magoado ou ofendido se não tivesse essas emoções dentro de si.

Por agora, basta saberes que essas emoções estão aí e que tens que cuidar delas. Agradece por alguém te ter levado aí. Irás fazer o processo de as amar, de as cuidar até se transformarem em algo belo e não precisares de as refletir de novo em alguém.

Lembra-te que fazemos o melhor que sabemos com os recursos que temos. Acredito verdadeiramente nisso. No plano maior foram os momentos e as palavras certas.

Agora que tens tudo à flor da pele…é amar e cuidar o que vive em ti.

Se dói? Dói muito! Mas é uma grande oportunidade e bênção.

Não te esqueças. A vida é um espetáculo único e irrepetível!

Deixe um comentário

* Campos de preenchimento obrigatório